terça-feira, 31 de março de 2009

Ficha Técnica

Titulo: Ainda Nada?

Autor: Cristion Voltz

Editor: Kalandraka


Uma história

leva-nos a viajar

nas páginas dos livros.

Faz-nos pensar

e imaginar mundos mágicos

e anima a nossa vida.

Uma história deve ser viva e vivida


Jardim-de-Infância de Macieira

Educadora: Mª de Fátima Pinho da Silva

Alunos: Leonilde, Liliana, Savannah, Bruna, Gabriel, Bruna, Diogo, Rafael, Afonso e Pedro.


As personagens da história



O Senhor Luís




O Pássaro



A Semente


A Semente a germinar


A Flor

Os meninos da Eb1 vêm fazer a leitura da história

“Ainda nada?”

Ao Jardim-de-Infância

Ainda Nada?

(História adaptada pela educadora e pelo grupo para Teatro de Fantoches)

Sementinha - Eu sou uma sementinha e quero ir par a terra.

Sr. Luís – Eu que sou o senhor Luís, vou fazer um buraquinho e vou-te semear.

Narrador – O senhor Luís todos os dias ia ver se a semente já tinha brotado da terra, e perguntava ao pássaro que ali vivia:

Sr. LuísAinda nada?

Narrador – No dia seguinte voltou e disse:

Sr. LuísAinda nada?

Semente – Eu já estou a crescer mas ninguém me vê!

Narrador – Apesar da semente já estar a germinar o senhor Luís e o pássaro não a viam porque tudo se passava debaixo da terra.

o senhor Luís cansou-se de esperar e esteve muitos dias sem lá voltar.

o pássaro que nunca dali saiu viu nascer uma linda flor e disse:

Pássaro – Vou oferecê-la à minha namorada para ver se ela me dá um beijinho.

Narrador – Quando o senhor Luís lá chegou a flor já tinha desaparecido no bico do pássaro, ele ainda mais admirado perguntou novamente:

Sr LuísAinda nada?

Narrador –Pois a verdade é que não devemos abandonar as plantas, porque elas necessitam ser cuidadas todos os dias.

Se o senhor Luís tivesse ido lá todos os dias tinha visto nascer uma linda flor.



APRESENTAÇÃO DA HISTÓRIA AOS COLEGAS DO 1º CICLO




A História da Biblioteca do Agrupamento “Ainda Nada?” do Plano Nacional de Leitura, que nos envolve no mundo mágico de descobrir o desabrochar de uma semente, foi o fio condutor do trabalho desenvolvido ao longo de uma semana. A experiência vivida foi gratificante e permitiu explorar a história nas diferentes Áreas de Conteúdo.

O facto de termos convidado os alunos da Eb1 para lerem a história de forma rodada, às crianças do Jardim-de-Infância, pretendia motivar os primeiros, para a leitura e os segundos para uma melhor percepção do conteúdo da história.

Realizou-se um segundo encontro com o objectivo de os meninos mais novos apresentarem aquela história em Teatro de Fantoches.

Para concretizar esse projecto, adaptamos a história e fizemos fantoches representativos das principais personagens da mesma.




sábado, 28 de março de 2009

Concurso Nacional de Leitura: fase distrital em Anadia


Depois de se terem registado, o Gonçalo, o Afonso e a Alice lêem a documentação distribuída.

Depois da sessão de abertura, saiem os "VIP's" e entram os alunos do 3º ciclo.

Um aspecto da sala da prova.

O Gonçalo e o Afonso procuram um lugar.

A Alice está pronta!

Um aspecto do exterior da Biblioteca.

Já depois da prova e aguardando o regresso a Santa Maria da Feira.
A opinião era comum aos três alunos: "A prova foi muito picuinhas!"

Aguardemos pelos resultados! Parabéns à Alice, ao Afonso e ao Gonçalo!

sexta-feira, 27 de março de 2009

SUGESTÕES DE LEITURA

Antecipando o Dia Mundial da Poesia, proclamado pela UNESCO em 21 de Março de 1999, o Dia Nacional da Poesia teve lugar no dia 14 de Março. As livrarias, como por exemplo a Almedina, promoveram eventos relacionados com esta comemoração. Precisamente no dia 14, pelas 18h00, a autora Adelina Andrês proporcionou-nos, no referido espaço, um momento aprazível com a leitura dos poemas do seu livro “UM PRESENTE DE VIDAS A CRESCER”, editado em 2007 pela Papiro Editora, a autora, no seu estilo muito peculiar, aborda a poesia através de um jogo de palavras, em que a mensagem está presente e latente:

Fazer, Ser!

Há muitos caminhos

E eu não os encontro

Não os conheço

Não há atalhos

Já não tenho tanto tempo

Como desde que nasci

Preciso fazer

O quê’!

Por Deus!

Deixa-me

Posso

Quero fazer, Ser!

Preciso...

Eu quero poder!

Ser!

Adelina Andrês in UM PRESENTE DE VIDAS A CRESCER


Deixo ainda como sugestão de leitura, para os mais novos e para gente crescida, a obra Versos com Reversos, de João Pedro Mésseder, da Editora Caminho, Também este autor “brinca” com as palavras através do som, do ritmo e da plurissignificação.

Rio

As águas vêm de longe,

trazem o mundo,

os montes a terra as pedras

os bichos e o pólen

as folhas e a luz

a chuva o granizo

e a sede dos homens

o rumor das noites e dos dias.

Rio vivo, quase mudo,

cheio de água

cheio de terra

cheio de tudo.

João Pedro Mésseder in Versos com Reversos

Prof.ª Luísa Pintado - Língua Portuguesa


Palestra sobre “O amor é...” pelo índio Kuna Cebaldo Inawinapi

No dia 19 de Fevereiro, pelas 17 horas realizou-se no polivalente da nossa escola, uma palestra sobre “O amor é...” cujo orador, antropólogo de formação e também índio kuna. Chama-se Cebaldo de León Inawinapi, está radicado em Portugal e é investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O orador falava, segundo ele, “portunhol”, que é o cruzamento da língua portuguesa com a língua espanhola, mas que nos permitiu perceber todo o seu discurso. Ficámos a saber que o povo Kuna (60.000 pessoas) vive num arquipélago, constituído por 366 ilhas, distribuídas ao longo da costa do Panamá, no mar das Caraíbas, na América Central. Este arquipélago chama-se Kuna Yala e também possui uma floresta tropical.

As imagens que o orador projectou mostraram vários aspectos da vida dos índios no seu quotidiano. Concluímos que este povo vive em harmonia com a natureza e entre si. Segundo Cebaldo Inawinapi, a única “arma” que conhecem é o diálogo e a troca de opiniões.

O orador trouxe consigo algumas “molas” que são confecções decorativas de tecidos, trabalhados com a técnica do chamado bordado aplicado, elaboradas com vistosos têxteis de diferentes cores. Este trabalho artesanal dá origem a variadas aplicações entre as quais as túnicas que as mulheres Kuna usam e que é também uma fonte de rendimento.

Agradecemos à Dr.ª Manuela, professora de História, dinamizadora do Projecto Equal, na nossa Escola, pelo facto de nos ter proporcionado esta palestra ao ter convidado o Dr. Cebaldo Inawinapi, que nos permitiu conhecer uma cultura diferente e enriquecedora, com experiências de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.

7.º Ano/Turma G

Ana, Bebiana, Cátia, Diana, Joana, Rui e Samuel

Prof.ª Luísa Pintado – APA a Língua Portuguesa


O Prazer de Ler

“O Livro é uma extensão da memória e da imaginação.”

Jorge Luís Borges

A leitura pode ser fonte de conhecimento e fonte de prazer. Na disciplina de Língua Portuguesa, os alunos do 8.º D e a Professora Luísa Pintado, sempre que possível, têm feito sessões de leitura, em contexto de aula, de obras literárias variadas ou versões adaptadas de autores clássicos.

Esta actividade visa a aquisição de hábitos de leitura, aprofundar o prazer de ler, através da selecção de obras adaptadas como “Don Quixote”, “Romeu e Julieta”, “Os Lusíadas”, “A Mensagem” e de outras obras que marcaram a história da Literatura. Lemos também obras que fazem parte dos conteúdos programáticos, como “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” de Jorge Amado, “Falar Verdade a Mentir” de Almeida Garrett, embora estas sejam objecto de um estudo mais aprofundado.

Trata-se de uma actividade que muito agrada à turma, pois cada vez que se lê para aprofundar conhecimentos ou apenas pelo prazer de ler, estamos a enriquecer-nos a nível cultural e a nível das atitudes.

Fazemos questão de dar continuidade a esta actividade, pois opiniões não faltam, assim como obras e autores.

Daniel Sá Pereira, n.º 4, 8.º D

Prof.ª Luísa Pintado – Língua Portuguesa

Uma actividade “brilhante”!

No dia 16 de Fevereiro de 2009, os alunos do 7.º Ano – Turma E tiveram oportunidade de assistir a uma actividade muito interessante sobre a motivação para a leitura da obra “Arroz do Céu” de José Rodrigues Miguéis.

O dinamizador da actividade, um psicólogo educacional, do Projecto Mundo Brilhante, soube cativar todos os alunos presentes e os professores acompanhantes. Usou uma abordagem que estimula a participação dos alunos e a reflexão sobre temas importantes relacionados com os contos apresentados. Através de recursos muito simples, um projector multimédia e uma tela onde nos mostrou imagens do quotidiano como, por exemplo, prendas oferecidas pelos pais aos filhos, imagens essas que nos levaram a reflectir sobre as relações familiares, entre outros assuntos.

Toda a actividade teve como objectivo desencadear nos alunos o gosto pelos livros e pela leitura, mais precisamente, no caso do 7.º E, motivar-nos para a leitura do conto “Arroz do Céu” de José Rodrigues Miguéis. Esta sensibilização também se destinava a promover o desenvolvimento de valores e atitudes importantes para a vida.

É de referir que esta actividade decorreu na Biblioteca da nossa Escola, o que facilitou a nossa presença, assim como a das outras turmas de 7.º Ano, pois não tivemos que nos deslocar para fora da nossa Escola.

Segundo a companhia Mundo Brilhante, existem cinco razões principais que explicam a pedagogia e o sucesso destas acções:

São interactivas – Os alunos é que brilham!

Projectam imagens e ilustrações apelativas;

São adaptadas às diferentes faixas etárias;

São criadas e dinamizadas por profissionais (Psicólogos Educacionais e

Animadores Socioculturais) e partem das necessidades / sugestões dos Docentes;

Comunicam com os Encarregados de Educação através de Certificados de

Participação.

Gostaríamos que continuassem a promover este género de experiências ao longo de cada ano lectivo, pois é assim que tomamos consciência de que a leitura é muito importante na nossa formação quer a nível académico, quer a nível pessoal.

7.º Ano/Turma E:

Prof.ª Helena Ferreira - Língua Portuguesa

Prof.ª Luísa Pintado - APA a Língua Portuguesa.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Ida ao Teatro: 2

Fomos ao teatro ver...

«Quem vem lá? Hou da barca!»


No dia 21 de Janeiro de 2009, as turmas do 9.º Ano, entre as quais a nossa, isto é, o 9.º Ano, Turma C, deslocaram-se a Matosinhos – Perafita, para assistir à representação do Auto da Barca do Inferno, pela companhia de teatro “O Sonho”.


A turma C do 9º ano


Consideramos que a Companhia se esmerou a todos os níveis: ao nível da música, do guarda-roupa e dos cenários. No entanto, o que mais nos agradou foi o facto de os actores terem interagido com os espectadores, isto é, os alunos. Aqueles que foram chamados ao palco para “vestirem” a pele de figurantes, mostraram alguma inibição inicialmente, mas acabaram por dar um contributo interessante à representação.


A Prof.ª Fernanda e a Prof.ª Luísa


Como já tínhamos estudado a obra, a representação da mesma proporcionou-nos uma melhor aprendizagem, assim como um momento de divertimento e convívio que também foi uma experiência interessante.

A Débora e a Prof.ª Luísa “assustadas” com o Hélio


Na aula de Língua Portuguesa, preenchemos um inquérito de satisfação sobre esta visita de estudo cujo tratamento levou aos seguintes resultados, num universo de 12 alunos:




1- À pergunta "Consideras que a viagem foi agradável?"

-Responderam SIM - 12 alunos.

-Responderam NÃO - 0 alunos.

2- À pergunta "Ficaste confortavelmente acomodado/a na sala onde decorreu a dramatização?"

- Responderam SIM - 12 alunos.

- Responderam NÃO - 0 alunos.

3- À indicação "Classifica numa escala de 1 a 5 os seguintes elementos da dramatização.

a) A interpretação dos actores.

Nível

3

4

5

N.º Alunos

1

6



b) O guarda-roupa

Nível

3

4

5

N.º Alunos

1

5

6

c) A sonoplastia

Nível

3

4

5

N.º Alunos

1

8

3

d) a luminotécnica

Nível

3

4

5

N.º Alunos

0

10

2

e) Os cenários

Nível

3

4

5

N.º Alunos

2

7

3

4.- Conclusão final retirada do comentário/crítica da generalidade dos/as alunos/as:

- Gostaram da visita de estudo em geral e da representação em particular

- Deviam realizar-se mais visitas de estudo assim.

- Devia haver uma loja no local que vendesse recordações relacionados com a peça.

9.º Ano/Turma C:

Diogo Jorge, n.º 6

Diogo Leite, n.º 7

Gabriela Martins, n.º 9

Natália Silva, n.º 12

Vítor Soares, n.º 19

Professora Luísa Pintado (Língua Portuguesa – APA)