sexta-feira, 10 de novembro de 2017

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Dia Internacional da Animação

E porque a 28 de outubro se assinala o Dia Internacional da Animação, o clube Lado Animado construiu brinquedos óticos. Experimenta-os e visita a exposição na tua Biblioteca.


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Bom ano letivo!

A equipa da Biblioteca Escolar deseja um excelente ano letivo a toda a comunidade educativa.
Boas leituras, boas pesquisas, bom estudo, bom ano letivo 2017-2018!

"(...) tenho em mim todos os sonhos do mundo."
                                                  Fernando Pessoa
                                                 

domingo, 9 de maio de 2010

Participantes e Vencedores do concurso de escrita:

UM CONTO

Ajudar, (re) compensa!

    ALUNOS PARTICIPANTES:

    Bruno Vieira – 5º J

    Jéssica Dias - 6º I

    Carla França- 6º I

    Helena Lino – 5º J

    Ana Luísa Almeida – 6º C

    Catarina Heitor- 6º C

    Abigail Monteiro – 6ºC

    Jéssica Aguiar - 9º A

    Afonso Castro – 9º A

    Vânia Aguiar- 9º A

    Cláudia Tavares-5º J

    Gustavo Godinho – 5º J

    Bernardo Inácio- 6º C

    Renata Andrade- 6º I

    Beatriz Pinto – 5º J

    Maria João Nunes- 6º I

    Pedro Duarte Lopes- 5º j

    Joana Pinto- 5º J

    Carolina Brito- 5º J

    Resultados:

Primeiro (s) Lugar ( es) (Ex aequo )

    - Bruno Vieira – 5º J

    - Jéssica Dias - 6º I

ATENÇÃO: CONCURSO DE POESIA

Consideras-te um verdadeiro poeta?
Então, dá largas à tua imaginação e participa neste concurso.
Cria um texto poético “altamente” original.



Regulamento
O Concurso de Poesia tem como objectivos desenvolver, premiar e divulgar o gosto pela poesia entre os alunos da escola.

Destinatários do Concurso
O concurso destina-se a todos os alunos da escola. - alunos do 2º ciclo - alunos do 3º ciclo.

Temáticas dos poemas
A temática dos textos é livre e ficará ao critério dos participantes. A autoria dos textos, obrigatoriamente inéditos, terá que ser individual. Os trabalhos não originais serão automaticamente excluídos. Cada participante poderá apresentar um máximo de três poemas.

Poemas a Concurso
Os trabalhos a concurso devem obedecer aos seguintes requisitos:
- Cada poema deve ter, obrigatoriamente, um título.
- No acto da entrega, será preenchida uma ficha de inscrição a fornecer pela Biblioteca Escolar onde constará a identificação do(a) participante (nome, idade e ano de escolaridade) e os títulos dos poemas que entrega.

Júri do Concurso
O júri de selecção dos três melhores poemas será composto por:
- A professora responsável pela dinamização da actividade
- O Bibliotecário
As decisões do Júri são soberanas, não sendo admitido qualquer tipo de recurso.

Calendarização
O concurso desenrola-se em 3 fases:
1ª - Promoção do concurso nas escolas no dia 7 de Maio de 2010
2ª – Recepção dos poemas na BE até 31 de Maio de 2010
3ª – Divulgação dos vencedores e dos poemas na BE no dia 2 de Junho de 2010 dia do Agrupamento.

Prémios
Será atribuído um livro ao autor dos melhores poemas em cada nível do concurso. Serão dados certificados de participação a todos os concorrentes. O júri reserva-se o direito de não atribuir os prémios previstos, se os trabalhos a concurso não apresentarem qualidade; poderá também atribuir menções honrosas e prémios de participação.

Direitos de autor
Cada concorrente cede o direito de reprodução das suas obras para publicação (referenciando sempre o nome do autor) nos materiais de comunicação a editar pela escola. Exposição e Publicação
As poesias seleccionadas estarão patentes, em exposição, nas Bibliotecas Escolares do Agrupamento, podendo ainda ser utilizadas noutros locais, pelo que os poemas não serão devolvidos aos seus autores.

Organização
Este concurso de poesia é organizado pela Biblioteca Escolar. Todas as situações não contempladas por este regulamento serão resolvidas caso a caso pelos responsáveis pelo concurso. Para o esclarecimento de qualquer dúvida, os interessados deverão contactar a BE.

Trabalho premiado no concurso de escrita

UM TRATADO DE AMIZADE MUITO ESPECIAL

TRATADO DE AMIZADE ENTRE HOMENS E LAMPREIAS


Cá estou eu outra vez! Sou uma lampreia do rio. O meu nome é Aquafluvia e já viajei por muitos países. Em todos eles aprendi algo novo e vi coisas maravilhosas. Gosto de rios limpos e oxigenados com fundos de areia também muito limpa. Já os humanos gostam muito de me comer, mas ainda não o conseguiram fazer. Por os humanos gostarem tanto de nos comerem, a nós lampreias do rio, a nível mundial estamos próximas da ameaça de extinção.

Mas vou contar o que aconteceu na minha última viagem.

Estava eu no rio Diamante, escondida entre umas pedras onde instalei a minha casinha, pensando onde seria a minha próxima viagem… já tinha ido a tantos lugares que não descobria nenhum lugar novo para visitar. Foi então que vi o Fluviatis, o Cartalgas, que distribui o correio. Naquela voz de quem está habituado a gritar, ele disse:

— Aquafluvia, aqui está a sua «Alga Semanal»! Ah! Quase que me ia esquecendo! Tens aqui uma carta que vem de um peixe chamado El Assis.

— É El Avis, Fluviatis. Sabes quem é? Um amigo meu que mora no outro extremo do rio Diamante, na cidade de Fluvi City — disse eu.

— Adeus! Tenho de ir! — disse o Fluviatis.

— Adeus!

Depois de o Fluviatis se ter ido embora, fiquei a ler a carta do meu amigo El Avis.

Fluvi City,1 de Janeiro de 2010

      Querida amiga Aquafluvia:

Escrevo para te convidar a vir a minha casa, em Fluvi City, rio Diamante, de hoje a oito dias. Vem com cuidado para não seres pescada pelos humanos.

Espero uma resposta tua, brevemente.

Cumprimentos deste teu grande amigo

        El Avis.

P.S: Tens aí um mapa com o caminho até minha casa. Estão assinalados os sítios mais perigosos.

Fiquei tão entusiasmada com a ideia que me pus a escrever a carta para o meu amigo, mas já se fazia tarde e tive de ir dormir para a minha cama de algas macias.

Passados cinco dias já eu tinha feito as malas e preparava-me para sair de casa, quando me apercebi de que quase me esquecia do mapa e então, verifiquei que afinal não tinha levado ao coralas (o nosso correio) a carta que naquela noite escrevera ao meu amigo.

— Não faz mal! — Pensei eu. E peguei no mapa.

E, então, lá me meti ao caminho seguindo as instruções do mapa. Durante a viagem, fui encontrando pelo caminho muitas pedrinhas brilhantes, umas azuis turquesa e outras verdes fluorescentes. Mas não dei muita importância e fui seguindo viagem.

Parei numa estalagem para descansar e, na manhã seguinte, cuidadosamente, fui tomando rumo. Desta vez, tinha de ir mesmo com cuidado porque me estava a aproximar da zona de pesca, segundo o mapa. Quase que era apanhada por uma rede, mas escapei por pouco. Segui caminho e continuei a encontrar aquelas pedrinhas tão belas. Eram muitas. Continuei o meu caminho. Parei numa outra estalagem para descansar e, na manhã seguinte, recomecei, mais uma vez, a minha viagem.

Três dias de viagem… Finalmente, acabara de chegar à cidade Fluvi City. Uma cidade muito bonita, devo dizer. Andei até à rua Fluviario Aqua, cheguei à porta nº3 onde cliquei num conjunto de pérolas brancas e logo veio o El Avis abrir-me a porta.

Estivemos longo tempo a falar, a falar e houve uma notícia que me incomodou imenso. Ele contou-me que em Espanha já só havia as lampreias da cidade Fluvi City porque a pesca da nossa espécie tinha aumentado imenso. E eu disse-lhe:

— À vinda para cá, encontrei umas pedrinhas muito bonitas, azuis e verdes. Devíamos negociar com os humanos. Eles não nos pescariam e nós, em troca, dávamos as pedrinhas e as pérolas do rio.

— Está bem — disse o El Avis. Amanhã vamos falar com os homens.

No dia seguinte, juntámos todas as lampreias e construímos um mega - amplificador de voz e dissemos aos homens:

— Daremos pérolas e pedras e, em troca, vocês, seres humanos, deixarão de nos apanhar - disseram as lampreias.

Os humanos estranharam e responderam:

— Tragam uma pérola para podermos comprovar que não nos estão a mentir.

Então, como eu tinha guardado na minha mala uma pérola e uma pedra atirei-as para a margem do rio.

Os humanos, admirados, disseram:

— Assinaremos um Tratado de Amizade entre humanos e lampreias. Vocês cumprirão a vossa parte e nós a nossa.

Dito isto, o tratado foi assinado e todos ficaram contentes. No fundo do rio, fizemos uma festa. Eu e o meu amigo estávamos muito felizes. Tínhamos, com a nossa imaginação, ajudado todas as lampreias daquele rio que, daí em diante, passaram a viver sossegadas e, também, tínhamos ajudado os homens que recebiam todos os dias as suas pedrinhas e também viviam confiantes porque tinham o queJustificar completamente precisavam.

No dia seguinte, despedi-me de todas as lampreias e fui para a minha casinha, nadando calmamente e sem qualquer sobressalto, enquanto ia pensando que podemos tirar uma conclusão desta história «Ajudar (re)compensa». E assim acaba a minha história.

Adeus!

Jéssica Dias, 6ºI

Ana Saldanha na Biblioteca

A notícia estava dada. Só faltava a reportagem fotográfica...

A recepção à Escritora foi feita pelas Alunas do Clube de Leitura do Prof. Lourenço:






As sessões com as turmas do 9º ano:







A sessão de autógrafos:







As vencedoras do passatempo "Escritor/Livro do Mês-Ana Saldanha", receberam o prémio das mãos da Escritora:

A minha Mãe é a melhor doMundo!

Trabalhos realizados pelas turmas do 6ºF e 6º E nas aulas de Educação Visual e Tecnológica, da Profª Carina, após a leitura do conto: "A minha mãe é a melhor do mundo" de Maria João Lopo de Carvalho.